Sentimentos Cotidianos

Mais de Mil Km

Enquanto estou num clima tropical, com chuvas de inverno e verão quente. Aí, onde você está, chove mais no verão que no inverno. Mas, independente da estação, eu tenho uma chuva forte dentro de mim, que é espontânea e, precisa do vento pra expressar toda verdade, beleza, intensidade, mesmo pelas lágrimas.

Asa de avião.

Foi apenas um dia, do mistério dos seus olhos, da simplicidade dos seus gestos, das palavras sem doçura, da eloquência dos seus lábios, do beijo que tem o gosto que não conheço. O crepúsculo anuncia o dia a se despedir, nos últimos raios de sol, embarquei no avião de volta pra minha cidade. Longe de você a mais de mil quilômetros, estou voando alto no céu e imaginando e pensando, quanto tempo falta pra gente se assumir e diminuir essa distância que nos separa. Só por curiosidade, será que aí dentro de você mora um vendaval? Pois mesmo quando o vento sopra, ele ondula nos cumes mais elevados do sentir. Já faz mais de uma semana que chove em mim uma saudade.

Está vendo aquela chuva lá fora? Sou eu, como o céu que enche o oceano. Quando sinto o vento tocar a minha pele, imagino ser a forma mais próxima que suas mãos têm estado. Pois aquilo que habita na imensidão da minha alma é o barulho da chuva gritando ao nascer do dia, um choro miúdo, algumas vezes sem gotícula alguma. Na meia claridade, o silêncio do vento me traz o fulgor da noite, numa intimidadora constelação de olhos amendoados a me encarar.

O que não falei e nem ousaria perguntar é se você sente o mesmo ou se é só impressão minha. Ou se, no lusco-fusco da esperança nos encontrarmos mais uma vez, talvez queira descobrir a natureza misteriosa que há em mim.

* Pra ficar ainda melhor escute a canção “A Thousand Miles”.