FotoPoesia

Jardim

Jardim. Foto: Laila Guedes

Os anos se passam
e as pessoas se vão,
outras ficam eternamente.

A despedida,
apesar de dolorosa,
será necessária algumas vezes.
Um destino que surge,
pra se cumprir,
mesmo que alguns não aceitem.
A morte virá no raiar do dia,
e não há nada que impeça de chegar.
Sua hora,
talvez seja agora,
quem irá imaginar.

A força maior que ultrapassa as palavras,
a qual me recuso a dizer.
Como “adeus”, “adeus”.
E, mesmo que a morte me obrigue a dizer,
eu não direi.
Eu me recuso,
alheia a qualquer vestígio de sanidade.
Mesmo que a chuva venha nos abraçar.
O amor há de imperar,
há de imperar.

A morte, a despedida, a força.
Por mais que sejamos relutantes,
é só mais um mistério,
que teremos de aceitar.
Só não me peça pra dizer adeus.
Porque o amor não cessa.
Hoje irei regar na esperança de ver florir.
Porque eu me recuso a dizer adeus.
Será eterno,
eterno em meu jardim.