FotoPoesia

Eu sou, um sou

Menino negro. Foto: Laila Guedes

Minha pele é branca e alva
Mas meu sangue espiritual é negro
Não posso negar minhas raízes, meus ancestrais
A negritude grita dentro de mim

Minhas amarras se desfez
A minha cor é apenas um disfarce
Esse calor, essa energia, esse balanço que dá
A negritude grita dentro de mim

Não adianta lutar contra
Algumas pessoas irão pensar que sou uma farsa
Mas, não há mais dúvida de quem eu sou
Esse elo existe há tempos atrás
Não adianta brigar, fugir do que realmente sou

Minha pele branca transpira o suor negro
Cada pingo derramado marca a minha chegada
Eu sou a marca de toda uma história

Está sou eu
Eu Branca, eu Negra
Branca por fora
Negra por dentro

Eu sou, um sou
Batuque que soou
Está sou eu
Uma negra de pele branca
Eu sou, um sou
Batuque que soou
Bateu, bateu e revelou
Eu sou, um sou
Batuque que soou, eu sou