Sentimentos Cotidianos

Entardecer de Águas

Um fim de tarde pra sentir saudade, observo o sol tocando sutilmente a pele do mar. Escuto o barulho das ondas e o vento soprar lembranças de um tempo feliz. Fim de tarde pra lembrar dos amores que deixei partir, outros que não tiveram tempo de ser amor. Eu sinto tudo se despedindo, a pressa, a ansiedade, a falta.

Entardecer das águas.

Fim de tarde pra silenciar a mente, dar vazão aos pensamentos. E deixo a leveza da alma brincar na areia da praia. E quanto mais eu mergulho, mais eu me reconheço em tons azuis. Um fim de tarde pra chorar timidamente comigo e sentir minha liberdade nua. Não há lugar no mundo onde eu possa me encontrar tão livremente, sempre de braços abertos pra ele levar tudo e me renovar.

É pra lá que eu vou, quando quero chorar. Onde o céu encontra o mar, contemplando toda essa cumplicidade, eu me entrego por inteira e deixo fluir. Uma sintonia total de alma, corpo e coração. Um amor verdadeiro e autêntico, de intensidade ímpar, pra sempre e sempre meu.

É pra lá que eu vou, quando quero sorrir. Pra redescobrir as maravilhas que habitam em mim, pura e transparente, nesse entardecer de águas. Eu me vejo, eu me reconheço. Uma alma simples admirando e aprendendo com a sabedoria do mar, que me traz inspiração e proteção, que me livra dos tropeços da razão.

É pra lá que eu vou, quando quero renascer. Pra sentir que sou água purificada por inteira. Que há muita luz no fundo dos olhos de quem traz a bondade dentro do coração, irradiando amor e alegria nas coisas simples da vida. É pra lá que eu vou, pois preciso me reencontrar nesse entardecer de águas.

* Pra ficar ainda melhor escute a canção “Stuck On You”.