Sentimentos Cotidianos

Ao se entregar

Na tentativa de nos encontrar, saímos por aí, buscando no outro um pouco de nós. Erramos tentando acertar, sem saber ao certo o propósito. Durante a caminhada, levamos muito tempo para tentar compreender à nossa própria existência. O que faz de nós o que somos é inalcançável, é incompreensível. O nosso sentir de dentro pra fora é naturalmente inexplicável. Instintivamente, abrimos o coração, deixando nossos sentimentos ir fundo. O amor não nos dá certezas e, por estranho que pareça, ele anula as incertezas. No amar não há espaço para dúvidas e questionamentos. O amor é simples, somos nós que complicamos. Amar não pede nada além do sentir. A gente apenas ama. Há muito mistério em nós e o amor não nos dá explicações, não assim, rapidamente.

Laila ao se entregar.

A diferença entre ceder e não ceder, é a decisão. Ceder é se entregar aos impulsos do coração. Alguns chamam isso de maturidade, outros de se entregar. Me intriga o motivo no qual nos esforçamos tanto para reprimir os nossos instintos mais básicos. Fomos feitos de amor e para o amor. Então, ao invés de resistir, entregue-se. Sem duvidar, sem questionar, sem hesitar. O sentir define. A confiança nos ampara. A quietude nos traz a paz. Mas só o amor, somente o amor, nos liberta! E, nada mais importa… no fim. Nada mais importa… o momento é agora.

Escolhemos nos entregar ao amor, pois isso nos dá a noção do que é incompreensível, na esperança de tocar o inalcançável, e sentir profundamente o inexplicável.

* Pra ficar ainda melhor escute a canção: “A Noite”.