Sentimentos Cotidianos

All Black Soul

Preto, que é de cor escura. Escura como a noite. Negro, que causa sombra. Na escuridão, com quentura, com loucura. Sob a pele noturna, sem razão, sem pudor. Devo lhe dizer que o seu olhar me dominou, penetrou profundo, e foi sem censura.

Black Soul. Foto: Laila Guedes

Me amansa no tempo mais escuro da noite. Me aqueça nas incertezas obscuras. Antes que a noite termine. Antes que nosso dia se esgote. Sua alma é tudo que vejo. Amanheceu e eu não quero acordar. Não importa lá fora, se tenho você num quarto escuro, à noite, sua sombra sob minha sombra, somos luz. Sussurro, me ilumine em sua escuridão, com as luzes apagadas.

Envolver-se é esse pedacinho de incerteza que não nos promete nada e pode nos fazer sentir tudo. Todo início é temeroso. Não se vê, no breu sentimental. Todo amante nesse tempo é incerto. Mas há pequenos sinais, que nos abraça mesmo sem certeza. As sombras são os contornos da alma sedenta, desejando a luz das estrelas. Sem perceber que a esperança é a constelação inteira clareando todo o nosso querer. Sussurro agora, em mim, sem dúvidas eu quero você.

É noite furiosa, com dor, com prazer. E eu faria tudo pra estar aí, na sua cama desarrumada, sentindo o toque do lençol e o cheiro no travesseiro. Eu faria tudo pra ser sua, pessoa amada, mas, irremediavelmente o dia termina e você não vem. Sussurro intensamente, por nós, por esse sentimento que brilha mesmo com toda escuridão.

Aonde quer que eu vá, o que quer que eu faça, assisto meus pensamentos desejarem você. O que quer que eu diga, o que quer de mim, eu ei de ser a sua luz. Aonde quer que você esteja, o que será que o impede de acender. Eu me pergunto porque tenho que passar mais uma noite sem você. Sussurro desesperadamente, sem nova chance, All Black Soul.

* Pra ficar ainda melhor escute a canção “Heartbreak Warfare